Musical “ O Corcunda de Notre Dame” dias 11 e 16/12 no Teatro Tobias Barreto

Musical “ O Corcunda de Notre Dame” dias 11 e 16/12 no Teatro Tobias Barreto

Uma aventura que fala de amor, amizade e respeito além dos preconceitos contada por 20 atores, que além do texto, cantam belas canções( ao vivo) e executam coreografias. Sem falar num cenário que remete a Paris do século XVI, realidade que também se reflete nos figurinos e adereços. O ambiente descrito é o do musical “ O Corcunda de Notre Dame”, adaptação do texto de Victor Hugo que terá estréia nacional dia 11/12 as 19h00 e apresentação no dia 16/12 as 16h00, no Teatro Tobias Barreto.  O espetáculo marca a estréia da Companhia das Artes Tetê Nahas, recém lançada, que trabalhará especificamente com musicais. A frente dos trabalhos a atriz e bailarina Tetê Nahas que, neste ano completa 40 anos de carreira e é popularmente conhecida no Estado por interpretar a beta Urânia no programa São João da Gente, da TV Sergipe e promete levar entretenimento e informação ao público infanto-juvenil e também para toda a família: “Nossa proposta é unir teatro, dança e música numa só pulsação. A montagem do Corcunda promete momentos de aventura, riso e lágrimas. Não podemos parar de discutir aquilo que está calado. Vim e estou querendo burlar, mexer… estou querendo discutir da melhor forma, discutir com arte, levando o debate com muita alegria aquilo que o mundo precisa ver, reconhecer e acreditar”, comentou a diretora geral e uma das protagonistas do espetáculo.
A história – Em Paris, durante a Idade Média, vive Quasímodo, um corcunda que mora enclausurado desde a infância nos porões da catedral de Notre Dame. Até que, um dia, Quasímodo decide sair da escuridão em que vive e conhece Esmeralda , uma bela cigana por quem se apaixona. Mas para conseguir concretizar seu amor Quasímodo terá antes que enfrentar o poderoso Claude Frolloe seu fiel ajudante Febo.
A diretora – A atriz e bailarina Tetê Nahas, começou suas atividades aos cinco anos, no espetáculo As aventuras de Jujuba e Teteca, de autoria do falecido diretor Bosco Scaffs. Depois, seguiu no grupo teatral Check-up, onde era a mascote. Na adolescência, investiu no atletismo e na dança clássica e contemporânea e afro, participando de diversos corpos de bailes. Participou ainda dos grupos Imagem e Asas de Teatro.
 
A música também surgiu na adolescência. Ela participou da Banda ZêIedo, que trabalhava músicas do Folclore Sergipano. Ela também foi Backing Vocal do cantor Tom Robson por alguns anos. Em 1991, entra no grupo Imbuaça onde atuou até 2008. Em 1986, começou a dar aulas de Teatro na Escola Municipal de Artes, hoje oficina de teatro Valdice Teles.Em 1992, participou da minissérie Tereza Batista da Rede Globo e em 2008 do filme” Orquestra dos Meninos”.

Seu primeiro trabalho como diretora foi o Espetáculo ” Conto ou Não Conto”, em Janeiro de 2001, baseado no Livro Contos de Vida e de Morte, de Carlos Cauê. Não parou mais, o infantil No Reino do Encantamento, com a Companhia de Teatro da Fundação Pedro Paes Mendonça, marca a estréia como diretora em espetáculos infantis. 

 Depois vieram os espetáculos, Andantes(2002), da Companhia Usina de Teatro, Decadência(2005), da Companhia de teatro Rota, Sete noivas para sete irmãos( 2003), da Companhia de Teatro da Fundação Pedro Paes Mendonça e a Paixão de Cristo, do povoado Serra do Machado em Ribeirópolis, durante 7 anos. Depois vieram os espetáculos “Saltimbancos”( 2008), “O Mágico de Oz”( 2009) “O caminho para Eldorado”(2010), “Arlequim, Servidor de dois amos(2010)” e o Corcunda de Notre Dame( 2011)

Deixe uma resposta